Cabeçalho 2

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Representações Energéticas

A maioria dos rituais seguem certos padrões, por causa disso podemos determinar que objetos, planetas, signos, símbolos, divindades e plantas e outras coisas da qual são usadas em determinados rituais possuem uma energia, logo quando você lê que algum ritual pede por determinado tipo de pedra, incenso, horário, cor da vela e objetos provavelmente todos esses itens possuem uma determinada energia que tem relação com o objetivo do ritual.

No passado as diferentes energias foram "encaixadas" de diversas formas, encontramos representações de energias por meio dos 7 planetas, dentro de cada arcano de tarô, no Yin-yang, dentro das Esferas da Árvore da Vida da Kabbalah, nos 4 elementos e por ai vai.

Um bom exemplo que tive em relação ao tarot foi quando em uma gira de Umbanda, uma entidade me falou que as cartas de tarô eram "medidores de axé". Axé é um dos nomes usados para se falar de energia dentro da umbanda, isso quer dizer que as cartas mostravam quais determinadas energias estavam atuando. Outros oráculos funcionam assim, por exemplo os símbolos das runas e figuras geomânticas são representações de energias, quando se faz uma pergunta a um oraculo, ele apresenta a resposta na maior parte das vezes, mudando em poucos oráculos é feita com uma imagem ou símbolo que representa uma determinada energia.


Divindades também são representações de determinados tipos de energia, aliás, não só divindades, mas arquétipos que podemos encontrar na literatura, em filmes e nos novos deuses que são os super-heróis e super-vilões.

Quando o ocultista conhece essas representações energéticas ele pode usá-las ao seu favor, algumas são vibrações naturais de energia e outras que são símbolos que atuam no nosso inconsciente ou no inconsciente coletivo, já que não podemos entender essas energias em sua totalidade, por isso para conseguir por exemplo ter coragem em situações do cotidiano ou em um momento em que a vida nos desafia, uma pessoa pode acender uma vela vermelha ou usar um amuleto do planeta Marte ou de Áries ou teatralizar que é uma arquétipo dessa energia como Rambo ou fazer uma oferenda pra Ogum ou meditar sobre a esfera Geburah e muito mais.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Por Que Não Guardar Objetos de Pessoas Falecidas

Conforme passaram os anos vivenciei muitas experiências interessantes, muita gente me procurou com todo tipo de problema e conforme o tempo vai passando acabamos vendo padrões que desencadeiam problemas espirituais. Uma das ocorrências mais comuns de problemas é ter objetos de pessoas falecidas em casa, existem vários meios de objetos de pessoas falecidas trazerem problemas, uma boa parte dos casos tem a ver com o falecido ser muito materialista e gostar do objeto, em outros casos o objeto serve para o espírito do falecido ficar ancorado no lugar, o que geralmente trás muito desconforto pros moradores da casa.

O relato mais antigo que tenho foi quando fui procurado por um rapaz que vou chamar de S., que se queixava de ter dificuldades para trabalhar pois não conseguia se concentrar para fazer seu trabalho, ele explicou que trabalhava em casa porém depois de algum tempo não conseguia mais trabalhar e ficava angustiado enquanto tentava, entrava em um estado que só conseguia sair quando ingeria bebidas alcoólicas, o que já estava virando rotina para ele.

Eu procurei tentar ajudar dizendo para que o mesmo desse comandos mentais "ordenando" que se focasse, porém, ele disse que o caso dele era diferente, pois sempre teve concentração para fazer seu trabalho mas partir de um tempo não conseguia ficar 5 minutos concentrado.

Na época eu não tinha muita experiência com esses tipos de problemas, apesar disso eu não achava que o problema tinha algum cunho espiritual, mas devido a certeza do rapaz de que era algo externo procurei fazer algumas perguntas, por exemplo, se ele tinha mediunidade aflorada, se a data que os problemas começaram batia com algum lugar que ele visitou entre outras perguntas, mas nada esclarecia o que acontecia com ele, perguntei se ele ficava muito na casa, pois isso poderia ser origem do estresse, ele disse que ficava o dia todo para trabalhar no seu projeto, falei que podia ser a energia da casa que estava estagnada e sugeri fazer uma limpeza na casa, colocar plantas no ambiente e sair um pouco da casa e tomar algum sol.

Enquanto passava as instruções, S. disse que lembrou que ficou alguns dias na casa do seu irmão e conseguiu trabalhar perfeitamente, porém quando voltou pra casa já ficou com vontade de beber.

S. disse que não ia conseguir limpar a casa toda, pois havia um quartinho que era do seu pai e perguntou se objetos de parentes podiam influenciar, perguntei que objetos e ele disse que eram xícaras e bules que o o tio dele havia dado para o pai dele e que nada do tio dele dava certo e que sempre o mesmo sempre teve problemas financeiros e mesmo gostando muito do tio, não se sentia bem na casa dele.

Eu disse que apesar disso, não fazia muito sentido, e que se fosse objeto de alguém já morto os objetos pudessem ser levados em conta. Foi ai que S. explicou que os objetos eram da sua falecida avó, que teve atritos com o pai dele quando o mesmo resolveu morar fora do país a trabalho e que a velha vivia rezando para que o mesmo voltasse.
S. também achou interessante contar que a casa que vivia agora foi a casa dos seus falecidos avós, que apesar de casados se odiavam bastante, outro fato era que o avô enquanto era vivo gostava de juntar porcarias sem utilidade que estavam na casa até hoje.

Recomendei a S. que limpasse a casa e colocasse plantas, como não podia jogar os objetos da avô fora, falei que colocasse saquinhos de sal junto aos objetos e S. nunca mais voltou para se queixar dos problemas de novo.

Obs: Apesar do título do texto, não quero dizer que objetos dos nossos entes queridos devem ser jogadas fora. O que quero explicar é que como foi dito antes em alguns casos os objetos podem servir de elo energético entre espíritos e um determinado ambiente, por isso se deve ter cuidado com o que se leva para casa. Se o antigo e falecido morador da casa permanecer lá, limpezas com água e sal grosso podem ajudar, além de limpezas e mudanças no ambiente podem ajudar a resolver a questão já que ocorreria uma mudança na vibração do ambiente.

domingo, 14 de junho de 2015

Constantine - Temp. 1 Ep. 11, 12 e 13

Após muitas boatos sobre o fim da série, ela realmente foi cancelada, como nada deve ficar aberto e todo ciclo deve acabar, esse é o artigo sobre os 3 últimos episódios e suas referências, se você não leu os artigos anteriores basta clicar nos links:   e 10º.

O episódio 11 é ligado aos sonhos, fala de um ritual egípcio para trabalhar com sonho sou criar seu próprio mundo. Na realidade se sabe sobre a forma que os egípcios viam os sonhos,  porém como tudo para eles aparentemente tinham ligação com os deuses. Um papiro encontrado da época de Ramsés ensinava a arte de interpretar sonhos quase da mesma forma que encontramos atualmente em banca de jornais, como uma forma de prever o futuro.

O episódio também fala sobre um tema que é recorrente no ocultismo que é o Templo Astral, um constructo da qual podemos criar nosso próprio mundo, mas bem diferente do que foi apresentado no episódio.

Deuses Egipcios





















Sigilo de Lúcifer
Episódio 12 não possuí nenhuma referência.

No episódio 13, vemos que "O Homem" marca suas vítimas com ferro em brasa, um dos símbolos é o Sigilo de Lúcifer, ele já apareceu no terceiro episódio. John diz que eram usados para marcar bruxas na inquisição, porém o Sigilo de Lúcifer não foi usado para isso. Possivelmente a primeira aparição desse símbolo se deu no Grimorium Verum.

domingo, 7 de junho de 2015

Charlie Charlie Challange e Kukkuri San (こっくりさん)

A nova moda ou pelo menos o novo viral da internet é o jogo do Charlie Charlie, Are You Here ?, que segundo relatos é o nome de um demônio ou espírito de um garoto mexicano.

Já foi dito diversas vezes que o vídeo não passava de uma propaganda de publicitária de um filme com a intenção de tornar a coisa viral e que isso resolve tudo e que acaba por virar balela, mas existem outros detalhes que não vi comentarem,

Nigromancia ou como é dito atualmente Necromancia é o nome dado a prática de perguntar coisas aos espíritos dos mortos, é uma prática muito antiga e vemos relatos até na bíblia. A comunicação por espíritos pode se dar por diversos meios amadores como o jogo do copo, "brincadeira do compasso", com a clássica Tábua de Ouija ou como é apresentado no vídeo onde dois lápis são cruzados um em cima do outro.

Charlie Charlie Chalange

É importante ressaltar que a pessoa mesmo pode controlar o objeto de propósito ou até mesmo de forma inconsciente, manipulando assim as respostas. Mas isso não tira a possibilidade de um espírito interceder a "sessão". Seja onde for, uma das regras que são sempre ditas é que quando você "chama" algo sempre vem, geralmente o espírito que não tem nada para fazer e fica por ai recebe o nome em alguns locais de "zombeteiro", não tem demônio ou coisa do tipo, o melhor meio de explicar isso é pelo exemplo: Imagine que você resolve chamar o governador do estado para sua casa, mas você não sabe como ele é, não sabe como ele se veste, mais deixa claro que esta esperando a visita dele e as portas da casa estão destrancadas, então um ladrãozinho da rua percebe que esta tudo aberto e entra e faz o que quer na sua casa e com você ou no pior dos casos vários ladrõezinhos fazem isso.

É mais ou menos assim que a coisa funciona, a partir do momento que você chama qualquer coisa, você esta dando um certo tipo de abertura para ela se aproximar, muita gente às vezes acredita que esta chamando um demônio que controla milhares de legiões no inferno ou algo do tipo, mas no final esta só sendo visitado por um espírito qualquer. Na maioria das vezes é regra que "gente importante" só vai te visitar se você também for importante também.

Geralmente o espírito não vai só para brincar, normalmente esses jogos são feitos por grupos de pessoas, ele se aproveita disso para se alimentar da energia do grupo, se tiver alguém com mediunidade um pouco aflorada ela pode sentir algumas coisas enquanto é vampirizada, o espírito em raros casos pode até produzir efeitos físicos se tiver muita energia para ser usada, por isso é comum algumas vezes se ouvir que o copo estourou depois da brincadeira.

Geralmente essa brincadeira não envolve muito risco (eu disse muito risco e não nenhum risco), pois a entidade acompanha apenas para se alimentar da energia, então as pessoas enquanto brincam se tornam o que chamamos de "pilha" e após o fim do jogo a entidade geralmente vai embora, mas em raros casos podem ocorrer exceções como foi visto nas últimas semanas onde algumas pessoas foram parar no hospital.

Mas essa história do Charlie Charlie Challange não é nada original, ela é baseada na brincadeira que ocorre no Japão, onde se evoca o espírito chamado: こっくりさん (Kukkuri San), usando o mesmo esquema da tábua de Ouija, só que com Hiragana, um dos alfabetos do Japão numa folha de papel e uma moeda, onde todos os participantes vão colocar o dedo e fazer perguntas, antes é feita uma evocação "こっくりさん こっくりさん おいでください" e se o espírito estiver presente, ele vai movimentar a moeda para dar as respostas.



Kukkuri San é descrito como um espírito brincalhão e não muito perigoso, não possuí forma definida, mas é muitas vezes descrito como uma mistura de raposa, guaxinim e cão.